ÍconePress

Sindspen-MT cobra reajuste linear a todas as classes dos policiais penais

Sindicato foi pego de surpresa por proposta do governo que prevê reajuste maior para classe dos iniciantes e menor para servidores mais antigos

A diretoria do Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado de Mato Grosso (Sindispen-MT), e grande quantidade de policiais penais compareceram a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), na manhã desta quarta-feira (30), para acompanhar a votação do pacote de medidas enviado pelo Governo do Estado com reajustes nas tabelas salariais de servidores da Segurança Pública, que inclui a polícia penal. De acordo com o Sindspen-MT a mensagem encaminhada pelo Executivo não atende às expectativas da categoria, que lutará para que a proposta seja melhorada e contemple todas as classes da polícia penal de forma justa.

O presidente do Sindspen-MT, Amaury Neves afirma que mesmo após várias rodadas de negociação com o Governo do Estado, as reivindicações da categoria não foram ouvidas pelo executivo na formulação dos reajustes, que na forma atual contempla porcentagens diferentes para as classes que compõem a policia penal de Mato Grosso.

“Fomos pegos de surpresa e ficamos sabendo que a mensagem enviada para a ALMT dá reajustes com porcentagens diferentes para cada classe, isso pode criar um clima ruim entre os próprios colegas. O que se sabe é que a classe A, que representa os policiais penais novatos e conta com aproximadamente 150 servidores, receberá reajuste de algo em torno de 25%, já a classe D, que conta com mais de dois mil servidores terá aumento de aproximadamente 5%, nessa categoria estão os policiais penais que atuam há mais de 20 anos, que com a proposta continua desvalorizada pelo governo”, pondera.

Por conta do descontentamento de várias categorias que foram contempladas com o pacote de reajuste, os deputados decidiram suspender a sessão ordinária para que possam se reunir com os líderes dos servidores e entender o que pode ser melhorado na proposta.

“Acreditamos e vamos lutar para que essa proposta seja melhorada e que o reajuste seja linear, que a mesma porcentagem seja aplicada para todas as classes e assim contemple todos os policiais penais”, explica Neves.

O deputado estadual João Batista (PP) afirmou que irá articular para que a proposta seja revista e atenda toda a categoria. “A distribuição conforme foi feita pelas classes é um absurdo, não fomos ouvidos e todas as orientações que passamos junto ao Sindspen-MT não foram atendidas e isso para nós não serve. Tudo foi feito pela Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) sem ouvir os mais interessados, vamos negociar para que todos sejam contemplados por igual, de forma linear, sem prejudicar nenhum policial penal”, argumenta.

Uma comissão formada por parlamentares ficará responsável por pedir modificações da proposta ao governo. Fazem parte da comissão especial o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (UB) e os deputados Carlos Avalone (PSDB), Wilson Santos (PSD), Alan Kardec (PTB), João Batista (PP), Janaina Riva (MDB) e Dilmar Dal’Bosco (UB).

Por: ÍconePress Assessoria de Imprensa e Agência de Conteúdo
Crédito imagem: Sindspen

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email